Pular para o conteúdo principal

Reflexos

Pelo reflexo no vidro era possível observar quem observava. A mescla de fios loiros e castanhos reparava em alguém do outro lado da rua. Na escuridão do estacionamento de um depósito de materiais de construção, um homem de costas para o movimento dos carros urinava. Os olhos da observadora não mostravam estranhamento, malícia, sarcasmo ou qualquer coisa do gênero: apenas olhavam uma cena cotidiana. Talvez fosse mãe, e já vira seu filho fazer isso, ou até mesmo o tivesse aconselhado a procurar “um canto” nesses momentos. Seus olhos de mel não brilhavam, não estavam focados; aquela mulher estava ausente do mundo que girava ao seu redor, no ônibus. Parecia cansada. Nos poucos segundos que separaram a parada do ônibus para o desembarque e seu inevitável seguimento, a mulher observou aquele rapaz. E eu a observei.

Horas antes, já havia exercitado meu olhar por meio de reflexos. Na verdade, grande parte dos dias é assim: tento ver aquele que não pode me ver. O pouco de física que aprendi me serviu para isso: ao menos consigo me posicionar para ter o melhor ângulo de visão. Quase sempre vejo retratos. É muito comum que somente os olhos se movimentem nesses retratos: a maioria das pessoas, quando sozinhas, pouco se mexe nos transportes coletivos. Evitam olhar cara a cara a pessoa que está a sua frente. Baixam a vista. Alguns vêem os pés da pessoa que não conseguiu assento. Outros aproveitam para reparar nas calças, nos detalhes que mais interessam, pois tudo fica à altura dos olhos. Com o auxílio do reflexo no vidro, é bem possível observar os decotes mais interessantes. Talvez o reflexo no vidro seja uma espécie de porta de entrada para um possível “posso segurar sua bolsa?”, mas tudo vai depender do quão atraente a pessoa se mostrou ao ser notada lá no fundo do reflexo, entre as ruas e carros. Mas não posso exagerar: também há casos de “posso segurar sua mochila?” quando notamos alguém cansado e carregando peso. Mas, na essência, a gente ajuda os que despertam interesse, mesmo que a bolsa da mulher parada tenha míseros 300 gramas. Como recompensa do fardo carregado, ganhamos um “obrigado” ou, também, um sorriso. Hoje, quando fui à farmácia, a atendente disse “obrigado, meu anjo”, ao me dar o troco. Mas reparei que era algo simples para ela, que ela dizia isso a todos, então pensei comigo: “Porque ela teve de falar isso para mim? Será que sou tão idiota de me lembrar desse ‘obrigado, meu anjo’ pelo resto do dia?”; e agora escrevo sobre o fato... Mas também, há uns anos, perto da Sé, uma atendente duma lanchonete me chamou de “Amore”, na época, uma novela tinha esse jargão, se não me engano. Na ocasião, pensei a mesma coisa: “Porque ela teve de falar isso para mim? Será que sou tão idiota de me lembrar desse ‘Amore’ pelo resto do dia?”; anos depois, cá estou, escrevendo... Quando tinha uns 10 anos, ia numa Quermesse que havia perto da casa de meu tio, é um orfanato de meninas (não sei o termo correto) cuidado por freiras, e bestialmente, nunca me esqueci que, numa das barracas (acho que era a de pesca no tanque de anil), certa vez, uma das meninas de lá se atracou em meu braço e falou “casa comigo!”, as outras meninas que estavam junto deram as famosas risadas: como sempre, fiquei vermelho; se não me engano, o nome da garota era Maria José, ou Maria do Carmo, algo do tipo. Na primeira série, aos 7 anos, minha prima estragou tudo contando a uma colega de classe, a Luana, que eu gostava dela: tive que agüentar a risada dela. Porém, um ano antes, recordo-me que eu gostava de uma garota do Pré, a Vanessa, ela ia de carona com a gente, no carro do meu tio; mas ela sumiu no ano seguinte, hoje seu rosto me é um vulto, mas lembro que, ela também tinha cabelos loiros e castanhos. Talvez fosse ela naquele ônibus, observando o sujeito urinar no estacionamento do depósito de materiais de construção. Talvez não. Seja quem fosse, não importa: logo depois de observá-la, voltei a reparar em minhas unhas e no estranhamento que causam nas pessoas quando me seguro nas barras dos ônibus ou metrôs. Segui meu rumo, pensando na analogia entre o violão e a mulher, e na sua não-originalidade, já que todos os poetas e músicos fizeram a mesma analogia. Nesse momento, lembrei o que meu amigo Neto me disse no ônibus naquele dia, horas antes de observar a mulher, quando íamos para o Centro: “Nós, poetas, estamos pré-dispostos a sofrer mais ao amar”.


Postagens mais visitadas deste blog

Vermelho Açafrão

  O martelar das horas era inexorável: tudo ali passava no menor tempo possível, como um pássaro pulando pelo chão ao invés de voar. As unhas pretas batiam na caneca de alumínio com café em um ritmo descompassado – um alerta para que ela se mantivesse acordada no marasmo da tarde. A tela do computador irradiava o seu brilho pálido, mesclando-se com sua pele que não via a praia há muito tempo. Havia números ali pululando: uma quase infinita ordem que regia o mundo financeiro. Um dia quiçá ela seria psicóloga, mas, por enquanto, contadora trazia o pagamento no início de cada mês.             A hipnose do meio da tarde sempre vinha. Era inevitável. A mente dela deixava o corpo e seguia outro rumo. Mais bonito? Talvez. Interessante? Certamente. Nesses momentos, as dores do passado cessavam: não havia mais agulhas, cortes, mesas geladas... Tudo ali era acolhedor, e as memórias do passado – as boas memórias – povoavam a paisagem repleta de gatos, doces e salgados. Sua mãe estava ali também

As visitas indesejadas

                 Chá é algo que fui aprendendo a gostar. Tenho os meus preferidos, claro. Não sou muito adepto do chá preto puro, mas gosto das combinações que fazem com ele. Às vezes, me sinto como o capitão Picard. E, às vezes, uso a desculpa do chá para ter uma caneca quente para segurar nos dias mais frios. No verão, chá mate gelado, claro.             O chá tem sido meu companheiro – ou companheira – durante os momentos que recebo visitas. E elas sempre chegam aqui em minha casa. Estou eu ali quieto, fazendo as minhas coisas, e ouço alguém batendo à porta. Eu já sei que, nesse momento, as coisas mudarão. Eu me levanto da cadeira ou do sofá, passo pelo corredor e abro a porta. E ali está a visita. Às vezes ela está sorridente. Em outros momentos, triste. Muitas vezes séria. De vez em quando com raiva. Eu simplesmente a deixo entrar: não tenho outra opção. Não mais... Enquanto ela toma um assento, eu vou para a cozinha e preparo o meu chá.             Eu tento não ser mal educad

UCP

  “Aqui consta que já é a terceira vez que procura a nossa clínica” – os olhos da mulher são brilhantes, lembram dois vagalumes perdidos na beira do rio. “Foram cento e vinte... Não: cento e quarenta anos de atendimento. O seu seguro cobre um invólucro novo, claro, mas podemos aumentar a sua franquia caso deseje manter o mesmo e apenas modificar a UCP. Fica a seu critério. Apenas lembro que suicídios, ou tentativas de suicídio, não são cobertos na franquia: oferecemos tratamento de humor, porém, os custos de reparo serão seus”. Aceno com a cabeça. “O que vai ser? Mudança total ou modificação da UCP?”. Mudança total. Chega dessa merda. “O senhor conhece o procedimento. Teremos de conversar antes de termos sua decisão final”. Não podemos simplesmente pular essa parte? “É impossível. Estou aqui para ajudar...”. Tudo bem, então. “Por favor, sente-se. Isso, fique à vontade. Confortável?”. Aham. “Então... Porque está nos procurando pela terceira vez? Como posso ajudá-lo?”. Você é a terceir