Pular para o conteúdo principal

Sketch

Acorda. Levanta. Sente o cheiro de terra molhada. Choveu essa madrugada? Nem percebi, talvez sim. Olha para trás. Emaranhado de panos, pernas e cabelos. Deitada está. Feliz? Difícil saber. Torçamos para que sim. Unhas coloridas descansam entre flores estampadas já desbotadas. É só um sonho. É apenas mais um sonho.

Prepara o café. Cheiro bom. Gosto amargo. Por que insiste nisso? Não sabemos. Senta à mesa. Corta o pão com as mãos. Mastiga. Gole de café. Mastiga. Engole. Olha o relógio na parede. Apesar de tudo, ele não parou. Gostaria? Provavelmente, sim. O violão está ali no canto da sala. Não tocou mais. As coisas vão perdendo o sentido. Talvez nunca tenham tido. Mas é assim mesmo.

Ela ainda dorme. Não irá acordá-la com barulhos. Dia de descanso. Pega papel, pincel, pena. Rabisca. Moça sorridente. Merece sempre ser assim. Torçamos para que seja. Derrama água sobre as rugas amareladas. Esfrega cerdas na tinta. Toca levemente no papel. Temos um braço, uma perna, um corpo, cabelos quentes. É como tudo naquele momento. Sem forma definida. Manchado. Confuso. Uma hora fará sentido. Mas não agora.

Deixa o papel secando. Queria ter ânimo. Tantas coisas para fazer. Tantas cobranças. Incertezas. Tristezas. Isso não tem cura. Não vai ter. Mão manchadas de tinta. Vai ao banheiro. Liga a torneira. Escorre o resto. Água doce e salgada misturadas. Lá se vai o azul cobalto imitando aquele dia. Nada disso tem sentido. Concordo.

Ela desperta. Senta na cama. Pernas roçando. Alça caída. Cabelos repelidos. Ainda perfumados. Olhos de sono. Bocejo jeitoso. Sorriso tímido. Não é como na aquarela. Muito melhor. Faz sentido. Levanta. Caminha. Tecido marcando. É linda. O café a espera. A pintura já secou. Tatuagem à vista. Esqueceu esse detalhe. Agora não dá mais. Sentada à mesa. Abraço por trás dos ombros. Beijo no pescoço. Bochecha. Têmpora. Mais quente que a caneca. Sabor bom.

Acorda. Levanta. Sente o cheiro de pano molhado.

Postagens mais visitadas deste blog

As visitas indesejadas

                 Chá é algo que fui aprendendo a gostar. Tenho os meus preferidos, claro. Não sou muito adepto do chá preto puro, mas gosto das combinações que fazem com ele. Às vezes, me sinto como o capitão Picard. E, às vezes, uso a desculpa do chá para ter uma caneca quente para segurar nos dias mais frios. No verão, chá mate gelado, claro.             O chá tem sido meu companheiro – ou companheira – durante os momentos que recebo visitas. E elas sempre chegam aqui em minha casa. Estou eu ali quieto, fazendo as minhas coisas, e ouço alguém batendo à porta. Eu já sei que, nesse momento, as coisas mudarão. Eu me levanto da cadeira ou do sofá, passo pelo corredor e abro a porta. E ali está a visita. Às vezes ela está sorridente. Em outros momentos, triste. Muitas vezes séria. De vez em quando com raiva. Eu simplesmente a deixo entrar: não tenho outra opção. Não mais... Enquanto ela toma um assento, eu vou para a cozinha e preparo o meu chá.             Eu tento não ser mal educad

A dor de meu pai

O pai tinha aquele jeito calado. Austero. Principalmente na frente de estranhos. Só falava o essencial e, às vezes, aquelas poucas palavras machucavam muito: lembro do mano chorando quando ouviu um dia o pai falando ao professor que talvez ele não tivesse nascido para estudar, que seria sempre burro. Pai era o oposto da estupidez. Acho que nunca conheci alguém que gostasse tanto dos livros. Ele deixava a gente brincando na sala e se enfiava no quarto para ter sossego com suas páginas. Eram livros amarelados do tempo, com cheiro de vó. Eu achava estranho aquilo: um homem vivendo onde a gente vivia e lendo tanto.      Aos domingos, depois da missa, o pai comprava pipoca doce pra mim e meu irmão. Sempre gostei daquele sabor. E adorava ficar com os dedos manchados de vermelho – eu me sentia um ser de outro mundo, igual aos que via nos gibis dos primos. A mãe acompanhava a gente até a casa da vó enquanto o pai seguia seu rumo. “Deixe ele” – a mãe dizia quando perguntávamos. “Tem o mundo d

Forças

  A mãe sempre foi uma mulher forte. Talvez a mais forte que já existiu. Gosto de pensar nela como uma grande árvore que dá abrigo, sombra, e não se dobra ao vento. Eu queria ser assim também. Mas sou diferente, de um outro modo. E hoje percebo que existem vários tipos de “força”, e que todos são válidos, mesmo que alguns nos inspirem mais do que os outros. Eu tive de lutar comigo mesmo por quase uma vida inteira para aceitar o fato de que eu posso, sim, ter momentos de fraqueza, e que eles não me tornam fraco. Ao contrário: reconhecê-los, encará-los e aceitá-los são a minha força, uma vez que passar pelas coisas e ainda assim me manter em pé todos os dias demonstra que, de certo modo, sou especial em meu mundo.                 A mãe, embora forte, nunca se permitiu guardar as emoções. Estou acostumado a ver suas lágrimas, de alegrias e tristezas, desde que nasci. Puxei ao pai, no entanto, durante meu crescimento: aguentando a dor sem molhar os olhos. Hoje entendo que isso não foi bo