Pular para o conteúdo principal

UCP

 

“Aqui consta que já é a terceira vez que procura a nossa clínica” – os olhos da mulher são brilhantes, lembram dois vagalumes perdidos na beira do rio. “Foram cento e vinte... Não: cento e quarenta anos de atendimento. O seu seguro cobre um invólucro novo, claro, mas podemos aumentar a sua franquia caso deseje manter o mesmo e apenas modificar a UCP. Fica a seu critério. Apenas lembro que suicídios, ou tentativas de suicídio, não são cobertos na franquia: oferecemos tratamento de humor, porém, os custos de reparo serão seus”. Aceno com a cabeça. “O que vai ser? Mudança total ou modificação da UCP?”. Mudança total. Chega dessa merda.

“O senhor conhece o procedimento. Teremos de conversar antes de termos sua decisão final”. Não podemos simplesmente pular essa parte? “É impossível. Estou aqui para ajudar...”. Tudo bem, então. “Por favor, sente-se. Isso, fique à vontade. Confortável?”. Aham. “Então... Porque está nos procurando pela terceira vez? Como posso ajudá-lo?”. Você é a terceira pessoa que procuro, sabe? Digo, a terceira pessoa diferente que vejo aqui na clínica. As outras duas vezes foram diferentes. A primeira vez, uma doutora quis implantar homeopatia. Consegue imaginar isso? A porra de homeopatia para tratar o defeito da UCP. Seria cômico se não fosse trágico... O segundo? Pfff. O segundo parecia bom, quase me convenceu a não migrar de invólucro, mas aí ele começou a falar de religião, que eu deveria seguir aquele livro lá, e depois ainda veio com algumas ideias de que as mulheres tinham de ser submissas aos homens. Eu não acredito em nada disso. A gente tem de ser igual, porra. Eu quero alguém que seja igual, não uma pessoa para sempre me dizer que estou certo. Eu quase sempre estou errado, talvez. É complicado isso... Por isso migrei as duas últimas vezes. E o lance da franquia já me foi ofertada da última vez: eu usei, arrumando briga: vocês não cobrem suicídio, mas apanhar até desmaiar, isso, sim, está no contrato. Aliás, por que dizem “suicídio”? Ninguém mais morre nessa merda. Se a gente tenta se matar, vocês pegam a UCP e deixam no freezer até os créditos das nossas contas crescerem o bastante para migrarem novamente. Isso é foda: nem morrer a gente consegue mais nesse mundo. Tudo era melhor antes: as pessoas ficavam doentes, envelheciam, morriam. Agora? Agora é tudo o de sempre: escolhem a gente no laboratório, nascemos sem nenhuma doença, trabalhamos eternamente, e não temos o direito de partir. Antes devia ser melhor...

 “E o que o levou a procurar a gente pela terceira vez?” Você sabe: quero me livrar de mim novamente. É por isso que estou aqui. “O que incomoda?” Eu... Eu tenho tentado, sabe? Tenho tentado colocar a cabeça no lugar. Tenho tentado trazer as coisas para o lado racional. Mas é difícil. Algumas coisas dentro de mim parecem cíclicas, elas têm ápices e vales, altos e baixos. Eu já não sei mais o que pensar de mim mesmo. Acho que sou estragado. “Você não é. Alguma coisa está incomodando você há muito tempo para estar aqui pela terceira vez. Arrisco a dizer que, se não identificar isso, vai voltar uma quarta, quinta, sexta vez... Não terá fim nunca. Jamais vai conseguir viver bem em seu invólucro”. É, eu sei... Mas, como eu disse, é complicado, complexo. Eu tento observar a situação do lado de fora, sabe? Tento sempre me ver a partir de um drone, e nessas horas eu consigo me entender. O problema é que isso não dura para sempre: sempre volto pra mim. E o “mim” é desgastante. Estou cansado dessa merda, desse ciclo. Sabe... Eu... eu vejo coisas boas no mundo, seja ele qual for. Eu já fiz a Terapia de Carroll, eu já me vi nas realidades alternativas, mas isso não muda o fato que estou preso a essa aqui. “E como foi quando visitou essas realidades? O que viu? O que sentiu?” Bem, eu não pude ver todas, claro: dizem que são infinitas, mas meus créditos me deixaram observar umas cinco ou seis realidades. Quando plugam a máquina em você... Caralho, aquilo te puxa pelo estômago, sabe? Em um momento você está ali deitado e no outro – boom – sai de dentro da parede vendo a si mesmo em uma outra realidade. Mas isso não é o mais foda. O difícil é quando as sinapses se misturam e você sente a si mesmo. Digo, não é ruim quando as coisas são tristes, mas quando são alegres... Você começa a se perguntar: Por que eu não nasci nessa realidade? A primeira que vi eu estava feliz, porra. Ali era tudo perfeito. Ali eu dei certo e tinha uma esposa, sei lá. Ela gostava de mim. Ela talvez fosse implantada, não sei. Mas o fato é que ela me amava, e eu senti isso, sabe? Eu senti no beijo dela. Ela tinha olhos verdes, acho. E ali no apartamento as coisas eram todas azuis, não sei porquê. Isso fazia um contraste legal. Nessa realidade eu acho que me dei bem.

“E nas demais realidades que visitou?”. Ah, elas variaram. Houve uma em que eu estava largado na cama de um hospital. Isso eu achei interessante: essa realidade é bem diferente da nossa, lá as pessoas ainda morrem. E eu estava morrendo, acho. Ou não. Eu estava mal, isso é fato. Sentia falta de ar, era algo no coração. E nessa realidade eu recebi várias visitas. E elas traziam presentes e uma das mulheres ali parecia se importar muito comigo: ela dizia que sabia como era estar ali no hospital, que já sentira o que eu sentia. Ela era linda, sabe? Porra, esse é o problema com as minhas realidades todas: eu sempre acho as mulheres lindas. Não sei o que é isso? Eu troquei de olhos aos 13 anos, e isso talvez tenha fodido tudo, porque sempre vejo beleza. Às vezes, queria que isso não existisse, porque machuca, sabe? Em todas essas realidades, todas essas mulheres, tão lindas... Eu... sei lá. “Ver beleza nas pessoas é algo que provavelmente muitas pessoas iriam querer, não deveria se culpar por isso. Mais alguma realidade que quer trazer aqui?” Uma última. Nela, eu me sentia muito mal. Novamente havia uma mulher nela, claro. E ela era linda, claro. Tinha uns rabiscos na pele, algumas palavras escritas, não consegui ler direito. E eu me sentia meio triste por saber que ela já não gostava mais de mim, acho. Na verdade, ela dizia que se arrependia. A gente não pode fazer com que nos amem, eu entendo. Mas doeu saber disso. O estranho é que depois de alguns minutos lá na realidade, uma parte de mim foi se acostumando, entendendo as coisas naquela visão de alguém de fora. E percebi que eu não era culpado de nada. Nem ela, talvez. Mas que havia projeções. Eu tinha projetado minhas inseguranças nela. E ela, as raivas em mim. Foi difícil ver e sentir tudo aquilo, mas eu ficava me distraindo tendo de abrir a porta para o gato: ele queria sair e, quando saía, queria voltar. E eu fiquei fazendo isso um tempão, sabe? E eu tenho alergia a gatos, porra. Sei lá, foi estranho...

 “E na realidade de agora? Como se sente?”. Acho que eu já deixei meio implícito, né? Está tudo meio merda. “Será mesmo? Os registros aqui coletados de quem é mais próximo mostram o contrário”. Esses registros aí são os que vocês usam para manter a personalidade, não é? Eu sei que são positivos. E eu acho que existe algo de verdadeiro neles. Mas... sei lá. “Aqui consta 98% de carinho na Escala Lacaniana, e...”. Vocês ainda usam esses caras? Puta que pariu, estão parados no tempo mesmo... Olha, eu não vim aqui para me enquadrar nas suas tabelas. “Tudo bem, esqueça a escala: apenas quero dizer que as pessoas ao seu redor admiram muito você. Na verdade, amam você. E isso é algo muito incomum nos clientes que nos procuram para mudança total. Geralmente as pessoas mudam os invólucros para, de algum modo, se tornarem mais chamativas e queridas”. O mundo vive de aparências mesmo. Isso é foda. Eu entendo isso tudo o que você diz, mas o que posso fazer? Estou cansado de ver minha cara. Eu tenho raiva a maior parte do tempo. Quero mudar. “A mudança total vai apenas colocar você em outro invólucro”. É, eu sei. “Talvez você devesse entender que não pode fugir de si mesmo. Você convive com você, não importa qual invólucro seja. Não temos como mudar sua personalidade, apenas migrá-la”. E o que sugere? “Você trouxe flores como objeto para desengatilhar as sinapses na UCP após a mudança. Por que escolheu justamente flores?”.  Eu gosto delas... Ao longo desses anos todos, eu dei flores para quem amei. Mas uma das mulheres recusou um dia: isso faz um bom tempo. E eu fiquei assim sem saber o que fazer. Guardar esse gosto dentro de mim, e mesmo com novos invólucros, eu não consegui mais dar flores, sabe? Tenho medo de que serão negadas novamente. “E nas demais realidades?”. Ah, nelas sempre havia flores. Provavelmente era eu quem as dava. Talvez isso fizesse bem para quem recebia, porque eu gosto de ver a pessoa feliz, sabe? Isso me deixa bem. Eu gosto de segurar as mãos, de acariciar o rosto, de beijar os lábios, de brincar mordendo as bochechas. Eu gosto disso. E acho que isso me estragou... “Talvez seja justamente isso o que o torna especial nessa realidade agora também: não é errado ser romântico. Não é errado assumir que você quer amar e ser amado. Não deveria se envergonhar e mudar de invólucro para tentar fugir de algo que sempre estará com você. As realidades alternativas mostraram isso: seja onde for, sua UCP sempre vai ser assim. Você só precisa aprender a conviver dentro de seu invólucro, respeitando a si mesmo, suas dores e desejos”.

 E como faço isso, afinal?

 “Imagine que alguém está lendo os seus pensamentos”.

Postagens mais visitadas deste blog

Vermelho Açafrão

  O martelar das horas era inexorável: tudo ali passava no menor tempo possível, como um pássaro pulando pelo chão ao invés de voar. As unhas pretas batiam na caneca de alumínio com café em um ritmo descompassado – um alerta para que ela se mantivesse acordada no marasmo da tarde. A tela do computador irradiava o seu brilho pálido, mesclando-se com sua pele que não via a praia há muito tempo. Havia números ali pululando: uma quase infinita ordem que regia o mundo financeiro. Um dia quiçá ela seria psicóloga, mas, por enquanto, contadora trazia o pagamento no início de cada mês.             A hipnose do meio da tarde sempre vinha. Era inevitável. A mente dela deixava o corpo e seguia outro rumo. Mais bonito? Talvez. Interessante? Certamente. Nesses momentos, as dores do passado cessavam: não havia mais agulhas, cortes, mesas geladas... Tudo ali era acolhedor, e as memórias do passado – as boas memórias – povoavam a paisagem repleta de gatos, doces e salgados. Sua mãe estava ali também

As visitas indesejadas

                 Chá é algo que fui aprendendo a gostar. Tenho os meus preferidos, claro. Não sou muito adepto do chá preto puro, mas gosto das combinações que fazem com ele. Às vezes, me sinto como o capitão Picard. E, às vezes, uso a desculpa do chá para ter uma caneca quente para segurar nos dias mais frios. No verão, chá mate gelado, claro.             O chá tem sido meu companheiro – ou companheira – durante os momentos que recebo visitas. E elas sempre chegam aqui em minha casa. Estou eu ali quieto, fazendo as minhas coisas, e ouço alguém batendo à porta. Eu já sei que, nesse momento, as coisas mudarão. Eu me levanto da cadeira ou do sofá, passo pelo corredor e abro a porta. E ali está a visita. Às vezes ela está sorridente. Em outros momentos, triste. Muitas vezes séria. De vez em quando com raiva. Eu simplesmente a deixo entrar: não tenho outra opção. Não mais... Enquanto ela toma um assento, eu vou para a cozinha e preparo o meu chá.             Eu tento não ser mal educad