Pular para o conteúdo principal

Dvořák

Foi há muito tempo: toda aquela região possuía árvores ainda, e rio alimentava os homens com seus peixes sadios. Na floresta viva a mais bela das belas mulheres de cabelos de fogo. Vivia em uma casa simples e circular. Com um simples fogão e humilde cama de palha. Toda a manhã acordava e ia ao rio pentear seus cabelos. As águas, se estavam nervosas, ficavam tranquilas diante de sua beleza. Salmões brilhantes paravam seu curso e vinham observar a mais bela das belas mulheres de cabelos de fogo. Cantarolava e alisava seus fios, transformando-se em um magnífico ponto de cobre reluzente. E assim viveu feliz e sozinha.

            O tempo passou e ela jamais envelheceu. Conservava sua beleza avermelhada e sua tez parecia nunca ser castigada pelo sol. Tão estranho fato chamou a atenção de seus vizinhos. “Essa mulher não presta” – cuspia a mulher enciumada de um lenhador. “Jamais cheguem perto daquela casa, ouviram?!” – alertava a mãe das crianças. Mas os homens mostravam-se indiferentes ao medo feminino. Admiravam a mais bela das belas mulheres de cabelos de fogo. E a desejavam.

            Quando chegou à idade em que os meninos passam a querer a companhia das meninas, o filho do lenhador começou a arrumar desculpas para ir pescar cada vez mais perto da casa da bela dama. E nos fins de tarde ajeitava-se em meio às árvores para observar a senhora dos cabelos de fogo se banhar no rio. Sua nudez o cativava, deixando o garoto encantado. Contudo, certo dia, ela não voltou para casa após seu banhoe o garoto a seguiu floresta adentro. A luz do dia se apagou e a lua cheia acendeu o céu. Escondido, ele pôde acompanhar os assovios que a mulher dava em meio à natureza. Chamava alguém. Do meio dos troncos retorcidos surgiu uma figura medonha, com o corpo desfigurado e corcunda, com patas de bode no lugar das pernas. A criatura acariciou e beijou a mais bela das belas mulheres de cabelos de fogo. Com um gesto, arrancou seu vestido, deixando sua alva pele refletindo o luar. Deitaram-se e a criatura abriu as pernas da bela, amando-a. O garoto permaneceu imóvel, sendo incapaz de correr. Porém, seus olhinhos marejaram e um soluço ecoou pela floresta. “Quem você trouxe, mulher?!” – berrou o demônio. “Ninguém, meu amor, eu juro, ninguém!” – suplicou a bela. Mas não adiantou... cego pela raiva, a criatura desceu suas garras sobre ela, sangrando seu corpo perfeito, deixando-a desmaiada. Àquela visão, o garoto não suportou o medo e começou a chorar. A criatura sussurrou algo para a mulher e sumiu. Ela acordou subitamente, erguendo seu corpo mutilado e sua face em carne viva. De seus olhos, chamas pareciam arder. Embora machucada, a mulher logo chegou ao local em que o garoto se escondia. “Pai nosso que estais no céu, santificado seja o vosso nome...” – rezou. A mulher sorriu com seus dentes afiados.

            O garoto nunca mais foi visto.

 

           

            Uma criança brincava na cozinha com seu pequeno galo de madeira. A mãe estava ao fogão preparando o almoço para o marido que ainda não chegara da faina. A ceia seria, como sempre, parca, com um pedaço de pão e o ensopado que preparava com restos de porco. O menino corria de um lado para o outro com seu galinho, imitando seus sons. “Mama, mama!” – chamava o pequeno, querendo a atenção para si.  “A mamãe está fazendo a comida, meu anjo. Logo o papai chegará e você mostra para ele, tudo bem?” – enxugava o suor da testa. O menino não parava, corria cada vez mais, gritando. O limite da mãe foi ultrapassado e ela ralhou com o pequeno, batendo em sua mão. Com o impacto, embora fraco, o menino deixou cair o galo, quebrando-o. O que antes era felicidade virou pranto. A mãe bem que tentou acalmá-lo, mas o menino não parava e, num acesso de raiva, jogou o galo contra a parede, indo acabar dentro da panela de ensopado. “Menino mau! Olhe o que você fez! Fique quieto aí ou chamarei a Bruxa do Meio-Dia para lhe buscar!”. Só fez aumentar o choro. Perdendo a paciência, a mãe foi à janela e falou: “Ei, Bruxa do Meio-Dia, aqui tem um menino muito mau que não pára de chorar. Venha buscá-lo!”.

            Voltou aos afazeres, feliz com o susto que pregara no filho. Porém, quando o sol chegou à metade do céu, um forte vento varreu as folhas mortas do quintal e alguém bateu à porta. A mãe, assustada, correu e agarrou o filho, que ainda choramingava. Sem respostas, a porta de madeira se abriu aos poucos, revelando um ser vestido com farrapos longos e um capuz que lhe escondia o rosto. “Aqui estou. Dê-me a criança!” – apontou com seus dedos cadavéricos para o menino. “Não, era mentira! Era mentira! Eu só disse para assustá-lo!” – gritou a mãe. “Dê-me a criança!” – repetiu. “Jamais!” –  e, abraçada ao menino, começou a rezar o Pai Nosso. A bruxa sorriu por debaixo do capuz e saiu da casa. A mãe respirou aliviada. Olhou para a criança e chorou.

            Quando o marido chegou em casa após mais uma manhã de trabalho, encontrou a mãe de joelhos ao lado da cama de seu filho. Um lençol cobria o pequeno corpo. O pai levou as mãos à cabeça.


Postagens mais visitadas deste blog

As visitas indesejadas

                 Chá é algo que fui aprendendo a gostar. Tenho os meus preferidos, claro. Não sou muito adepto do chá preto puro, mas gosto das combinações que fazem com ele. Às vezes, me sinto como o capitão Picard. E, às vezes, uso a desculpa do chá para ter uma caneca quente para segurar nos dias mais frios. No verão, chá mate gelado, claro.             O chá tem sido meu companheiro – ou companheira – durante os momentos que recebo visitas. E elas sempre chegam aqui em minha casa. Estou eu ali quieto, fazendo as minhas coisas, e ouço alguém batendo à porta. Eu já sei que, nesse momento, as coisas mudarão. Eu me levanto da cadeira ou do sofá, passo pelo corredor e abro a porta. E ali está a visita. Às vezes ela está sorridente. Em outros momentos, triste. Muitas vezes séria. De vez em quando com raiva. Eu simplesmente a deixo entrar: não tenho outra opção. Não mais... Enquanto ela toma um assento, eu vou para a cozinha e preparo o meu chá.             Eu tento não ser mal educad

A dor de meu pai

O pai tinha aquele jeito calado. Austero. Principalmente na frente de estranhos. Só falava o essencial e, às vezes, aquelas poucas palavras machucavam muito: lembro do mano chorando quando ouviu um dia o pai falando ao professor que talvez ele não tivesse nascido para estudar, que seria sempre burro. Pai era o oposto da estupidez. Acho que nunca conheci alguém que gostasse tanto dos livros. Ele deixava a gente brincando na sala e se enfiava no quarto para ter sossego com suas páginas. Eram livros amarelados do tempo, com cheiro de vó. Eu achava estranho aquilo: um homem vivendo onde a gente vivia e lendo tanto.      Aos domingos, depois da missa, o pai comprava pipoca doce pra mim e meu irmão. Sempre gostei daquele sabor. E adorava ficar com os dedos manchados de vermelho – eu me sentia um ser de outro mundo, igual aos que via nos gibis dos primos. A mãe acompanhava a gente até a casa da vó enquanto o pai seguia seu rumo. “Deixe ele” – a mãe dizia quando perguntávamos. “Tem o mundo d

Forças

  A mãe sempre foi uma mulher forte. Talvez a mais forte que já existiu. Gosto de pensar nela como uma grande árvore que dá abrigo, sombra, e não se dobra ao vento. Eu queria ser assim também. Mas sou diferente, de um outro modo. E hoje percebo que existem vários tipos de “força”, e que todos são válidos, mesmo que alguns nos inspirem mais do que os outros. Eu tive de lutar comigo mesmo por quase uma vida inteira para aceitar o fato de que eu posso, sim, ter momentos de fraqueza, e que eles não me tornam fraco. Ao contrário: reconhecê-los, encará-los e aceitá-los são a minha força, uma vez que passar pelas coisas e ainda assim me manter em pé todos os dias demonstra que, de certo modo, sou especial em meu mundo.                 A mãe, embora forte, nunca se permitiu guardar as emoções. Estou acostumado a ver suas lágrimas, de alegrias e tristezas, desde que nasci. Puxei ao pai, no entanto, durante meu crescimento: aguentando a dor sem molhar os olhos. Hoje entendo que isso não foi bo