Pular para o conteúdo principal

Para ti

Amarra tuas asas, anjo. Chegou a hora de voar. O tempo te favorece: venta. Levanta. Erga teu corpo sobre a única coluna que restou nessa terra infértil. Tira as mãos dos tornozelos. Descruza as pernas. Erga teu corpo sobre a única coluna que restou no meu pensamento. Teus cabelos querem fugir antes de ti: amarra tuas asas, por favor. São cordas de náilon. Não irão te ferir. Afinei em uníssono. Mi. Levantarás vôo em mi bemol, alcançarás as nuvens em mi, chegarás perto do sol em sustenido. Então todos ouvirão teu corpo. Jura que olharás para mim? Vou te esperar. Mas, vamos, amarra tuas asas. Despe teu corpo, anjo: seres celestiais não usam seda. Erga teu corpo sobre a única coluna que restou no meu coração. Somente posso te observar. Foi-me negada a honra de tocar-te. Algum dia saberás que a culpa disto foi minha, unicamente minha? Sou castigado pelo meu silêncio. Deveria ter te dito há tanto tempo... que te amava tanto há tanto tempo. Passei dias com lágrimas destinadas a ti presas em meus olhos. Queria tanto ter sido corajoso para merecer estar ao teu lado. Queria tanto ter a certeza de que me amavas. Talvez isso me livrasse da dor que sinto, anjo. Mas amarra tuas asas. Eu mereço minha solidão. Estou cego, por Atena. Não me restou mais do que o vazio, o nada. O castigo Dela é fazer-me sentir tu ao meu lado e jamais olhar-te. Observo-te, anjo. Amarra tuas asas, vamos. Hoje não tenho mais o direito de chorar. Amo-te. E não posso chorar. Só aumentaria o sangramento da ferida. Como te desejei! Se eu pudesse, anjo, te daria cordas de ouro, para que tuas asas nunca precisassem de reparos. Como te desejei! Uma pena que os corações humanos não dêem sinal alto o bastante: tu ouvirias meus batimentos. Por que, anjo, por que sou tão fraco? Porque te amo tanto e sou tão covarde? Por que te ajudo a voar justamente na hora em que mais desejo arrancar-te as asas para sempre? Mas amarra tuas asas. Não valho teu sorriso. Tuas lágrimas. Teu amor. Teu corpo... Erga teu corpo sobre o capitel dórico desta coluna que restou na minha solidão. Amarra tuas asas, e, já que não posso te ver, beija-me com tua ausência. Sentirei o toque de tuas asas em meu rosto. Voa, anjo. Afinal, o tempo te favorece: venta.


Postagens mais visitadas deste blog

As visitas indesejadas

                 Chá é algo que fui aprendendo a gostar. Tenho os meus preferidos, claro. Não sou muito adepto do chá preto puro, mas gosto das combinações que fazem com ele. Às vezes, me sinto como o capitão Picard. E, às vezes, uso a desculpa do chá para ter uma caneca quente para segurar nos dias mais frios. No verão, chá mate gelado, claro.             O chá tem sido meu companheiro – ou companheira – durante os momentos que recebo visitas. E elas sempre chegam aqui em minha casa. Estou eu ali quieto, fazendo as minhas coisas, e ouço alguém batendo à porta. Eu já sei que, nesse momento, as coisas mudarão. Eu me levanto da cadeira ou do sofá, passo pelo corredor e abro a porta. E ali está a visita. Às vezes ela está sorridente. Em outros momentos, triste. Muitas vezes séria. De vez em quando com raiva. Eu simplesmente a deixo entrar: não tenho outra opção. Não mais... Enquanto ela toma um assento, eu vou para a cozinha e preparo o meu chá.             Eu tento não ser mal educad

A dor de meu pai

O pai tinha aquele jeito calado. Austero. Principalmente na frente de estranhos. Só falava o essencial e, às vezes, aquelas poucas palavras machucavam muito: lembro do mano chorando quando ouviu um dia o pai falando ao professor que talvez ele não tivesse nascido para estudar, que seria sempre burro. Pai era o oposto da estupidez. Acho que nunca conheci alguém que gostasse tanto dos livros. Ele deixava a gente brincando na sala e se enfiava no quarto para ter sossego com suas páginas. Eram livros amarelados do tempo, com cheiro de vó. Eu achava estranho aquilo: um homem vivendo onde a gente vivia e lendo tanto.      Aos domingos, depois da missa, o pai comprava pipoca doce pra mim e meu irmão. Sempre gostei daquele sabor. E adorava ficar com os dedos manchados de vermelho – eu me sentia um ser de outro mundo, igual aos que via nos gibis dos primos. A mãe acompanhava a gente até a casa da vó enquanto o pai seguia seu rumo. “Deixe ele” – a mãe dizia quando perguntávamos. “Tem o mundo d

Forças

  A mãe sempre foi uma mulher forte. Talvez a mais forte que já existiu. Gosto de pensar nela como uma grande árvore que dá abrigo, sombra, e não se dobra ao vento. Eu queria ser assim também. Mas sou diferente, de um outro modo. E hoje percebo que existem vários tipos de “força”, e que todos são válidos, mesmo que alguns nos inspirem mais do que os outros. Eu tive de lutar comigo mesmo por quase uma vida inteira para aceitar o fato de que eu posso, sim, ter momentos de fraqueza, e que eles não me tornam fraco. Ao contrário: reconhecê-los, encará-los e aceitá-los são a minha força, uma vez que passar pelas coisas e ainda assim me manter em pé todos os dias demonstra que, de certo modo, sou especial em meu mundo.                 A mãe, embora forte, nunca se permitiu guardar as emoções. Estou acostumado a ver suas lágrimas, de alegrias e tristezas, desde que nasci. Puxei ao pai, no entanto, durante meu crescimento: aguentando a dor sem molhar os olhos. Hoje entendo que isso não foi bo